Governança Corporativa em empresas familiares

Posted on Postado em Acontece na Alcer, Artigos e Entrevistas, blog, Sem categoria

Antes de mais nada, o que é a governança corporativa em empresas familiares?
O termo governança corporativa parece assustar no primeiro contato, passando a sensação de burocracia e de dificuldade de aplicabilidade. Mas, na verdade, a realidade não é bem essa – e sua aplicação gera muitos benefícios. De acordo com o IBCG ( Instituto Brasileiro de Governança Corporativa), a governança corporativa seria definida como:“O sistema pelo meio do qual a empresa é dirigida e monitorada, envolvendo os relacionamentos entre Acionistas, o Conselho de Administração, a Diretoria, a Auditoria Independente e o Conselho Fiscal”.

Dessa forma, quando consideramos a aplicação de um sistema de governança corporativa na empresa familiar, estamos levando em consideração essa separação entre a ideia de propriedade e administração do negócio. E empresas com esse tipo de gestão são muito comuns ao redor de todo o mundo. E, no Brasil, quando são analisados dados, percebe-se uma notória importância.
Segundo pesquisas, no final de 2016, elas representavam cerca de 80% da totalidade de empresas existentes no país. Mesmo com tanto destaque, organizações que funcionam através de um controle familiar passam por alguns desafios complicados, que as demais não enfrentam. Por isso, adotar um sistema de governança corporativa em empresas familiares fará toda a diferença em seus negócios.

 

Os desafios de empresas familiares

A mesma pesquisa que apontou a gigante relevância dessas organizações no cenário brasileiro também foi responsável por chamar a atenção para um fator preocupante.
Apenas 12% dessas organizações consegue sobreviver depois da terceira geração familiar sob seu comando.
Esse é um número inquietante, que demonstra a enorme dificuldade dessas empresas em manter um bom funcionamento ao longo do tempo.
E um dos principais elementos considerados como causadores desse problema é, justamente, aqueles relacionados à regulação da empresa.
Afinal, a questão que mais gera desafios nessas organizações são os erros na hora de conseguir regular os relacionamentos familiares com os negócios.
Um dos fatores que mais costuma causar conflito, é: como decidir o direcionamento dos negócios?

Assim, quando há falhas no processo de regulação da empresa, é frequente se deparar com disputas familiares capazes de abalar profundamente a empresa como um todo.
Por isso, adotar boas práticas de governança corporativa na empresa familiar pode ser decisivo.
E não somente para a saúde de seus negócios, mas para a sobrevivência da organização a longo prazo e até da manutenção das relações entre os membros da família.

 

A governança corporativa na empresa familiar

Qual o motivo de uma governança corporativa em empresas familiares?
A implantação desse sistema serve, justamente, para conseguir criar uma separação entre a ideia de propriedade, de família e de gestão.
Ou seja, mesmo quando uma pessoa detém o direito de herança sobre a empresa, isso não significará que possui, automaticamente, o direito de exercer a função de gestor.
Além disso, conflitos entre familiares, que defendem cada um seus interesses particulares, ao invés de considerarem o que é melhor para a organização, são muito comuns nesse ambiente.
Assim, gestão e propriedade se tornam coisas separadas e as figuras de liderança serão desempenhadas por aqueles que realmente demonstrem merecimento para esses cargos.
Afinal, é muito importante conseguir compreender que gerenciar um negócio não é nem de longe uma tarefa fácil.
Essa é uma posição que demanda muita habilidade, preparo e conhecimento prévio, pontos que não são conferidos automaticamente por relações consanguíneas.
Conseguimos perceber varias vantagens na aplicação da governança.
Esse sistema é muito aplicado no ambiente empresarial, pois é capaz de proporcionar vantagens na gestão das organizações.
No caso da governança corporativa na empresa familiar, os benefícios também estão muito presentes e visíveis.
Por isso, esse sistema está sendo uma opção cada vez mais adotada para garantir a sobrevivência desses negócios em longo prazo.
Mas, nas empresas familiares, o assunto é ainda mais delicado.
É muito comum que membros da família cheguem a posições de gestão pelo simples fato da hereditariedade e não de real competência ou habilidade.
O que pode ser desastroso para o bom andamento da organização como um todo.
Por isso, para implantar a governança corporativa na empresa familiar, é importante considerar o elemento da meritocracia na hora de redistribuir os cargos.
Desde cedo é preciso que esse membro desenvolva habilidades, conhecimentos teóricos e práticos para seu futuro profissional.
É importante considerar que o administrador precisa estar preparado para sua função, entender a complexidade de suas atividades, além de sentir-se confiante o suficiente para executá-las.
Adotar o sistema de governança corporativa na empresa familiar pode aumentar a sua produtividade e perpetuar o nome da organização no mercado.
Além disso, essa opção fornecerá um ambiente mais propício para manter um equilíbrio também nos relacionamentos pessoais entre a família.
O resultado será uma relação melhor e a permanência do legado familiar representado no bom funcionamento de sua empresa.

Luiz Gustavo

Consultor Empresarial

Fonte: Site Administradores