Franquias, porque é um bom negócio?

Posted on Postado em Acontece na Alcer, Artigos e Entrevistas, blog

Juliano Lopes, Consultor Empresarial

Transformar o negócio em franquia é o sonho de muitos empreendedores pelo país, já que é uma rota comprovadamente mais rápida para a expansão, visto que setor se mostra promissor.

O mercado de franquias é uma opção para os empreendedores que desejam abrir um negócio com uma marca estabelecida no mercado.  O balanço consolidado do setor de franquias em 2017, apurado na Pesquisa de Desempenho realizada pela ABF, confirmou o crescimento um crescimento significativo na receita.

Apesar de tornar-se um franchising ser um grande passo e, como todo grande passo,  oferecer riscos, esse tipo de empreendimento reduz a margem de erros. Quando você abre uma franquia de uma marca já existente, há um caminho trilhado: o fundador da empresa mostra os atalhos para que o franqueado tenha resultados melhores.

Nesse tipo de negócio, já há um nome, um público, um processo e um modelo testado e aprovado. Com esse mapa em mãos, tudo fica mais fácil. Por isso, cada vez mais empreendedores estão curiosos em saber como as franquias funcionam, quais são suas vantagens e cuidados a tomar.

 

Mercado de franquias no Brasil

O mercado de franquias no Brasil nunca esteve tão em evidência. As pesquisas recentes da Associação Brasileira de Franchising mostram que o mercado de franquias está em ascensão, pois o setor está em crescimento e com perspectiva de aumentar ainda mais neste ano.

De acordo com os números revelados em janeiro de 2018, houve um crescimento de de 8% em 2017 em faturamento. Isso equivale a R$ 163 bilhões, posicionando o mercado de franquias como um dos pilares para a economia brasileira.

Nesse contexto, é interessante salientar também o aumento de 2% em unidades e 1% em empregos . O faturamento do setor só tem aumentado. No 4º trimestre de 2017 em relação ao mesmo período do ano anterior, o setor aumentou a receita de R$ 43,521 bilhões para R$ 47,014 bilhões.

Para este ano, a estimativa é de que o faturamento seja elevado em 9% a 10%, chegando a quase R$ 180 bilhões. Outro ponto interessante nessa perspectiva é o possível ganho de 3% em empregos, em um momento de recuperação econômica.

Diferente de países como EUA, o Brasil ainda não explorou todo o seu potencial na área. Atualmente, o setor de franquias está em processo de amadurecimento, sendo São Paulo o estado com maior rede de franqueados, responsável por mais de 50% do mercado brasileiro.

Com crescimento mesmo em tempos conturbados para a economia, franquias podem ser uma excelente opção para você que está querendo iniciar sua empresa. Há uma variedade de opções de negócios em praticamente todos os setores comerciais.

Porém, antes de escolher qual o ramo deseja franquear, vamos entender como funciona esse sistema.

 

Como funciona uma franquia

Existe uma lei que homologa e explica como é o modelo de franchising. Seguindo o modelo americano, esta lei regulariza o tipo de negócio, detalhando direitos e deveres de franqueador e franqueado. O primeiro é o criador da franquia, que definiu produto/serviço, estabeleceu mercado e público-alvo. Enquanto o segundo é o investidor que utiliza da marca e do modelo de negócio para comercializar um produto/serviço com a marca já conhecida.

O franqueador deve emitir um COF, ou seja, uma Circular de Oferta de Franquia que explica o que é o negócio, como funciona e quais são as regras que a serem seguidas.

A partir dai, o interessado terá informações para sua análise de viabilidade do negócio: produto/serviço, investimento inicial, processo produtivo, valores de taxas, layout, suporte oferecido pelo franqueador, entre outros pontos.

Após a decisão pela franquia, o franqueador poderá realizar uma avaliação do franqueado. Isto dependerá do que está estabelecido no COF. Se o franqueado atender a todas as exigências do COF, o franqueador formaliza em um contrato a cessão de direito.

Segundo a lei de franchising, o franqueador tem o direito de negar o franqueado, então fique atento às exigências de cada franquia.

 

Há relação empregatícia?

Vale ressaltar que a lei de franchising desvincula a relação empregatícia entre franqueador e franqueado. Isso se deve ao diferencial do negócio de franquia.

Nesse sistema, ocorre a cessão de direito da marca mediante remuneração, definida pelo franqueador. Logo, a relação não é caracterizada por vínculo empregatício.

Dessa forma, franquia é um formato diferenciado do que normalmente é visto no mercado. É um acordo entre o dono de uma marca já estabelecida e um investidor que por meio de um contrato definem as regras de parceria para comercialização de um produto/serviço.

 

Vale a pena pra quem sabe onde está pisando!

A  proposta da franquia é ampliar o negócio de forma que outras pessoas, além do criador ou dono da marca, possam também lucrar com ela. Com a possibilidade de você usar uma marca já conhecida, fica muito mais fácil você obter sucesso no seu ramo de atuação, e consequentemente ter mais lucro.

Quando se tem gestão e direcionamento, sistema de franquia é altamente vantajoso para quem pretende investir seu dinheiro, mas ainda não sabe o que fazer e tem receio de começar um negócio novo, seja pelo fato do risco de falência ou por todo o trabalho envolvido no processo.

 

Fonte: Site Franquiawsi

Site ABF